Resenha | Saga

(O texto abaixo não contém spoilers)

image2

A história de amor de Romeu e Julieta teve um fim trágico, mas como teria sido a vida de ambos, caso continuassem vivos? Será que o amor deles venceria tudo? Saga, de Brian K. Vaughan (obrigado por ter feito “Fugitivos”) e Fiona Staples é um Romeu e Julieta no qual os personagens decidem continuar seu amor e viajar por um universo “parecido” com o de Star Wars. OK, esse é um jeito muito raso para definir “Saga”, mas fica comigo que já explico porquê esse quadrinho é uma das melhores e mais apaixonantes obras dos últimos anos.

No quadrinho, acompanhamos a história de Marko e Alana, dois soldados em lados opostos de uma guerra que já dura tanto tempo que nenhum dos lados lembra o real motivo dela ter começado, porém, ambos os lados compartilham um ódio mútuo. Apesar da baixa probabilidade, Marko e Alana se apaixonam, fogem juntos e tem uma filha. Atrás deles, a fúria de dois exércitos que temem o que a união do casal e o fruto desse relacionamento representa para a guerra.

Continuar lendo “Resenha | Saga”

Resenha | Car Wars

Car Wars é um magnífico conto de ficção científica produzido pelo escritor e jornalista canadense Cory Doctorow, encomendado pela Melbourne’s Deakin University. A Universidade pediu ao autor que escrevesse um conto sobre o complicado processo de desenvolvimento e regulamentação dos carros autônomos, inspirado pelo ensaio The problem with self-driving cars: who controls the code? (O problema dos carros autônomos: quem controla o código?), também escrito por ele. Continuar lendo “Resenha | Car Wars”

Conto | A Torre de Marfim

No sonho, o elefante morto levanta em meio à multidão que o cerca e vem na minha direção. Quero fugir, mas meu corpo não obedece. Ele para diante de mim, e começa a falar. Sua voz está por todo lado e me causa arrepios pavorosos, pois não é som o que eu escuto, e nem poderia ser, pois metade da sua cabeça foi removida. O branco deve cair, o branco deve cair ele repete sem parar. É sempre assim no meu sonho.

Depois disso, o elefante colossal desaba e minha irmã começa a gritar, e eu acordo. Continuar lendo “Conto | A Torre de Marfim”

Conto | A Morte das Estrelas

Uma estrela se apagou no momento em que o Pai subia no telhado de casa. Com uma coberta de lã no ombro, ele escolhia onde pisar com cuidado, para não quebrar nenhuma telha. Enquanto isso, o Filho subia a escada de mão carregando num dos braços um grosso edredom com tema de flores que pegou no quarto dos pais.

O Pai estendeu a coberta sobre as telhas geladas no outro lado da casa, aquele que dava para os fundos, onde as luzes dos postes na rua não teriam nenhuma chance de atrapalhar a noite deles. Deitou-se e aguardou o filho em silêncio, encarando o zênite celeste com a curiosidade de uma criança. Continuar lendo “Conto | A Morte das Estrelas”

Resenha | Stories of Your Life And Others

Se você é um amante da ficção científica e está em busca de uma leitura desafiadora e extremamente original, Stories of Your Life And Others pode ser a escolha ideal para você. Nesta obra vencedora do Locus Award na categoria Melhor Coletânea, Ted Chiang nos presenteia com alguns dos melhores e mais ousados contos e noveletas da ficção científica contemporânea.

A coletânea conta com as oito primeiras histórias do autor, e inclui nada menos que três histórias vencedoras do Nebula Award e uma do Hugo Award. Cada uma delas é única e nos provoca o pensamento, forçando o leitor a adotar outros pontos de vista e a pensar fora da caixa. Continuar lendo “Resenha | Stories of Your Life And Others”

Resenha | Armada

Uma viagem pela cultura pop. Esta talvez seja a melhor definição para o estilo do escritor Ernest Cline. Fanático por ficção científica e games, Cline, assim como o diretor Quentin Tarantino, trabalhou em sua juventude como atendente em uma locadora de vídeos e teve acesso a uma infinidade de filmes que ajudou a moldar sua base autoral. Em boa parte, o que vemos nas 432 páginas de Armada (Leya, 2015) é uma compilação de filmes, séries, jogos e músicas que fizeram sucesso dos anos 1960 até os dias atuais.

Em termos narrativos, o autor repete em Armada o ponto de vista adotado em Jogador Nº 1, seu primeiro best-seller. A história é narrada em primeira pessoa e o leitor é levado a mergulhar no interior do protagonista, conhecendo seus sonhos e temores. Contudo, ao contrário de Jogador Nº 1 onde o personagem principal oferece o desfecho da aventura no prólogo e passa a contar como tudo aconteceu, em Armada os acontecimentos seguem uma linha do tempo mais tradicional. Continuar lendo “Resenha | Armada”

Conto | Happy You

Instalar o Plugin da Felicidade foi a decisão mais difícil que já tomei, e também a mais burra e inconsequente. Mas as consequências dos maiores erros não vêm na forma de uma morte rápida e misericordiosa, não… elas espreitam em silêncio por muito tempo e quando aparecem se mostram opressoras e cruéis. Enquanto assisto impotente a lenta evolução da barra de progresso, alimento a esperança de que não é tarde demais para voltar atrás e salvar o pouco que me resta.

Há dois anos eu tinha tudo e me considerava a pessoa mais sortuda do mundo. Se bem que toda pessoa realmente apaixonada deve se sentir assim… eu tinha o melhor marido e uma vida crescendo dentro de mim. Minha barriga crescera bastante nos últimos sete meses e meu passatempo preferido era passar as tardes ensolaradas no bosque nos fundos de casa, sentada numa cadeira de descanso lendo um romance. Eu lia em voz alta, para mim e para o meu pequeno Guilherme. Quando não estava viajando, meu marido lia para nós três. Era uma coisa especial, uma coisa só nossa. Mas o que é bom demais dura pouco e numa noite chuvosa no auge do inverno eu perdi tudo isso. Continuar lendo “Conto | Happy You”

Conto | Sob os Olhos da Nova Espécie

Morremos todos os dias. O que fomos ontem não seremos amanhã. Nossas células se transformam a cada dia e fazem da água em nossos corpos vapor. Mas a memória é de rocha, assim como nossos feitos, sejam eles bons ou ruins.

Passei a vida inteira fugindo. De amigos que não me aceitavam, amores que não se interessavam ou mesmo da família que não me queria. Relacionamentos me faziam alvo de chacota e zombaria, por isso fugia. Percebia rápido quando não me aceitariam, e com isso aprendi a ficar invisível, discreto, misturado na multidão medíocre. Talvez seja esse o meu destino. Ficar só. E cá estou eu, na companhia de minha lente de aumento e minhas amostras. Continuar lendo “Conto | Sob os Olhos da Nova Espécie”

Conto | Os Homens Que Apagaram as Estrelas do Céu

A definição era baixa, mas a veracidade do vídeo era inquestionável. As imagens bidimensionais mostravam uma gravação holográfica de uma realidade que não condizia com a História. Eva recebera o vídeo em uma mensagem anônima há alguns minutos. A mensagem terminava com um convite para encontrar sua fonte naquele mesmo dia no topo da Huxley Tower. Deveria ir sozinha.

Eva era uma repórter num mundo de paz desprovido de pobreza, onde não eram as tragédias diárias que dominavam os meios de comunicação, mas a celebração de conquistas e realizações de uma sociedade essencialmente feliz. Era um tempo onde tensões políticas esporádicas ainda acompanhavam os movimentos éticos da sociedade, mas as grandes crises eram coisa do passado. Ainda assim, as pessoas continuavam humanas e tão capazes de loucura e violência como sempre o foram. Continuar lendo “Conto | Os Homens Que Apagaram as Estrelas do Céu”

Conto | As Crianças Que Sabiam Voar

Nos fins de tarde, Hans sentava num banco desconfortável que ficava à sombra de uma castanheira na frente de casa, e esperava o ônibus que traria o filho da escola. Como sempre fazia, sentou-se ali meia hora antes e acendeu um cigarro.

Enquanto tragava, o vento gelado castigava seu rosto. Ele apreciava esses momentos em que podia ouvir os pássaros e o balançar dos galhos das árvores. Essa meia hora diária era a parte mais verdadeira do seu dia. Em breve o ônibus chegaria e ele teria de voltar ao seu papel. Continuar lendo “Conto | As Crianças Que Sabiam Voar”