Conto | Happy You

Instalar o Plugin da Felicidade foi a decisão mais difícil que já tomei, e também a mais burra e inconsequente. Mas as consequências dos maiores erros não vêm na forma de uma morte rápida e misericordiosa, não… elas espreitam em silêncio por muito tempo e quando aparecem se mostram opressoras e cruéis. Enquanto assisto impotente a lenta evolução da barra de progresso, alimento a esperança de que não é tarde demais para voltar atrás e salvar o pouco que me resta.

Há dois anos eu tinha tudo e me considerava a pessoa mais sortuda do mundo. Se bem que toda pessoa realmente apaixonada deve se sentir assim… eu tinha o melhor marido e uma vida crescendo dentro de mim. Minha barriga crescera bastante nos últimos sete meses e meu passatempo preferido era passar as tardes ensolaradas no bosque nos fundos de casa, sentada numa cadeira de descanso lendo um romance. Eu lia em voz alta, para mim e para o meu pequeno Guilherme. Quando não estava viajando, meu marido lia para nós três. Era uma coisa especial, uma coisa só nossa. Mas o que é bom demais dura pouco e numa noite chuvosa no auge do inverno eu perdi tudo isso. Continuar lendo “Conto | Happy You”

Conto | Os Homens Que Apagaram as Estrelas do Céu

A definição era baixa, mas a veracidade do vídeo era inquestionável. As imagens bidimensionais mostravam uma gravação holográfica de uma realidade que não condizia com a História. Eva recebera o vídeo em uma mensagem anônima há alguns minutos. A mensagem terminava com um convite para encontrar sua fonte naquele mesmo dia no topo da Huxley Tower. Deveria ir sozinha.

Eva era uma repórter num mundo de paz desprovido de pobreza, onde não eram as tragédias diárias que dominavam os meios de comunicação, mas a celebração de conquistas e realizações de uma sociedade essencialmente feliz. Era um tempo onde tensões políticas esporádicas ainda acompanhavam os movimentos éticos da sociedade, mas as grandes crises eram coisa do passado. Ainda assim, as pessoas continuavam humanas e tão capazes de loucura e violência como sempre o foram. Continuar lendo “Conto | Os Homens Que Apagaram as Estrelas do Céu”

Conto | As Crianças Que Sabiam Voar

Nos fins de tarde, Hans sentava num banco desconfortável que ficava à sombra de uma castanheira na frente de casa, e esperava o ônibus que traria o filho da escola. Como sempre fazia, sentou-se ali meia hora antes e acendeu um cigarro.

Enquanto tragava, o vento gelado castigava seu rosto. Ele apreciava esses momentos em que podia ouvir os pássaros e o balançar dos galhos das árvores. Essa meia hora diária era a parte mais verdadeira do seu dia. Em breve o ônibus chegaria e ele teria de voltar ao seu papel. Continuar lendo “Conto | As Crianças Que Sabiam Voar”