Conto | Asa Branca

Por: Cesar Gaglioni

Ele não podia ver nada além da secura. O sol do meio-dia fazia com que o suor ensopasse sua roupa, que já grudava em seu corpo como uma segunda pele. No horizonte, ele podia ver a fumaça da queimada. Sentiu uma melancolia dentro de si e seguiu seu caminho. Na estrada, conseguiu ver o corpo do Alazão já cercado de moscas. O gado dava seu último suspiro nesse mundo com olhar pesado.

Andou por mais alguns minutos até o centro da cidadela. O sorriso das pessoas desaparecera há meses, mas ele ainda era capaz de manter a gentileza que dava algum alívio pra vida daquela gente. Entrou na capelinha tirando o chapéu. Com os joelhos fracos e franzinos, colocou-se aos pés do Criador.

Entre lágrimas e orações, ele perguntou:

— Pô que tamanha judiação, Pai? Pô que o Sinhô dexô que isso contecesse côá gente? — Não queria confrontar o Senhor, mas a dor invadia completamente seu corpo, revirando seu interior num grande caldeirão de angústia que só se manifestava através de um choro que parecia não ter fim e onde cada segundo parecia durar uma semana. Após o diálogo com o Pai, saiu da capela e seguiu para casa. Talvez, no aconchego do lar, conseguisse encontrar alguma paz para silenciar todos os gritos abafados dentro de si.

***

A noite não era menos quente na região. Os pensamentos dele estavam longe e a tristeza era visível em seu rosto. A esposa sentou ao seu lado e se apoiou em seu ombro. As lágrimas correram soltas entre soluços e um abraço apertado de um amor que não seria palpável por alguns meses.

— Rosinha, cê me promete má coisa?

— O que ocê quisé, mámor — ela enxugou as lágrimas do marido e lhe projetou um sorriso.

— Guarda com ocê — ele soluçava — guarda com ocê o meu coração.

Apesar da melancolia, havia alguma esperança em seus gestos. Sabia que seguiria para as Gerais por ela e só por ela. Naquela noite, amaram com um amor que conseguia ser mais do que só amor. Na despedida, somente carinho e a promessa do retorno.

***

Durante o descanso depois da colheita, com a sombra da copa, ele lembrou dela assim que a Asa Branca pousou perto da árvore. Sorriu e se encheu de amor. Seguiu até o casebre onde vivia, pegou papel e o primeiro toco de madeira com grafite que encontrou. Ali escreveu: “Quando o verde desse seu zóio se espaiá na nossa prantação, te asseguro, num chore, não, viu? Eu voltarei, viu, meu coração”. E aquela Asa Branca bateu as asas rumando pro Norte em busca do amor.


Card alaranjado com a foto e a mini bio do escritor Cesar Gaglioni. A foto dele está do lado esquerdo, com o nome logo embaixo. Ao lado da foto, do lado direito do card, está escrito a mini bio do escritor.

Anúncios

2 comentários em “Conto | Asa Branca

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s